Inteligência Multifocal

O significado do termo inteligência, de maneira geral, está ligada à capacidade humana de pensar. Segundo a Teoria da Inteligência Multifocal nossas atitudes são frutos de nossa forma de pensar e interpretar tanto o mundo a nossa volta quanto a nós mesmos. 

Contudo, existem fenômenos inconscientes, que atuam independentemente de nossa vontade e inúmeras variáveis, conscientes e inconscientes, que interferem neste processo. A boa notícia é que com um Eu ativo deixamos de ser espectadores desse processo, assumindo, por meio da gestão psíquica, o controle de nossas ações.

Agora que sabemos um pouco mais sobre o significado da palavra inteligência, vamos falar sobre a Teoria da Inteligência Multifocal?

Esta teoria (TIM), estuda o funcionamento da mente, o processo de interpretação, a estrutura e o processo de construção dos pensamentos, os papéis conscientes e inconscientes da memória, a formação do Eu como líder do teatro psíquico, o desenvolvimento das funções mais complexas e nobres da inteligência e emoção no desenvolvimento psicossocial. Segundo a Tim a Inteligência é Multifocal, porque é:

Multidinâmica: existe uma dança psíquica, uma energia e movimentos psicodinâmicos constantes.

Multifatorial: pois existem vários fatores que influenciam os fenômenos que leem a memória e produzem os pensamentos, imagens mentais, ideias e fantasias (estado emocional, história existencial, ambiente social, natureza genética, ambiente social, e o Eu gestor da psique)

Multidimensional: vários níveis e campos

Modificável: nada é imutável, ou seja, a inteligência é construída e reeditada constantemente.

Até agora, fica claro que a inteligência multifocal é indispensável para o crescimento saudável do ser.

Além de tudo o que foi descrito acima, ela auxilia na construção de relações saudáveis sejam intra ou interpessoais e a lidar com questões como tolerância, trabalho em equipe, conflitos e carisma.

Com a inteligência multifocal, podemos trabalhar também a questão dos pensamentos que são construídos através de 3 princípios:

  • Gatilho da Memória: Esse fenômeno permite que as imagens ou sons sejam identificados em milésimos de segundo, em meio a milhões de imagens na memória, para que se tenha consciência imediata dos estímulos exteriores. Sem isso, o Eu ficaria confuso, não identificaria as palavras, os rostos, os sons e as imagens. Entretanto, se não o gerenciarmos deixaremos que uma imagem ou som abra arquivos doentios, nos levando a ter medo intenso, bloqueios da inteligência, inseguranças, reações agressivas, etc.  Como alguém que se prepara para uma prova, estudando muito, e não consegue aplicar seus conhecimentos na prova, por ficar muito tenso e não recordar as informações.

  • Autofluxo: É um fenômeno que lê milhares de vezes por dia a memória, produzindo pensamentos que nos distraem, nos animam, nos fazem sonhar, etc. Sem ele morreríamos de tédio, solidão e angústia existencial. O Autofluxo é a maior fonte de entretenimento humano, até mesmo maior que a televisão! Entretanto, na atualidade, esse fenômeno se tornou fonte de ansiedade, preocupação e terrorismo psicológico para aqueles que não sabem gerenciá-lo e acabam por viver em uma prisão dos pensamentos.
  • Janela da Memória: É um fenômeno que representa uma região da memória em que podemos ancorar a leitura e construir pensamentos. Sendo que se a região em que se focar a leitura for maravilhosa, podemos construir ideias fascinantes, caso for uma região doentia, produzimos ideias dramáticas.
  • Consequências: A Teoria da Inteligência Multifocal demonstra que sem os atores coadjuvantes, o Eu não se formaria, não saberíamos quem somos e nem nossa identidade. Pois antes de o Eu ter consciência de si mesmo, precisa de milhões de pensamentos arquivados, produzidos pelos três coadjuvantes citados há pouco.
  • Como gerenciar os pensamentos: Uma excelente técnica para essa finalidade e para o fortalecimento e liderança do Eu é o D.C.D. (Duvidar, Criticar, Determinar). Ela deve ser feita várias vezes ao dia, com coragem e emoção. Tudo que você crê o controla, duvide de tudo que você crê que o perturba. Duvide de que não consegue superar seus conflitos e das mentiras do seu pensamento negativo. Critique cada ideia pessimista, preocupação excessiva e pensamento antecipatório. Pense no amanhã o suficiente para se planejar. Proclame isso no palco de sua vida para que não seja apenas uma técnica superficial de motivação. A educação nos ensinou a gerenciar máquinas, a casa, a profissão. É necessário treinarmos para aprendermos a gerenciar os pensamentos.

  •  Gerenciar os pensamentos é:

Capacitar o Eu, que representa a nossa capacidade consciente de decidir para ser ator principal do teatro da nossa mente. Sair da plateia e dirigir o script da vida.

Ser livre para pensar, mas não escravo dos pensamentos.

Ser senhor e não servo dos pensamentos.

Governar a construção de pensamentos que debilitam e bloqueiam a inteligência.

Exercer domínio sobre os pensamentos que produzem transtornos psíquicos.

Exercer a liderança de si mesmo para ser um líder social e profissional.

Deixar de ser espectador passivo das ideias negativas.

Não gravitar em torno dos problemas do passado nem do futuro.

Ter uma mente relaxada, tranquila, com pensamentos não agitados.

FONTES:

Menthes – Saiba mais sobre a inteligência multifocal

Escola da Inteligência

Livro Inteligência Multifocal – Augusto Cury

Academia de Gestão da Emoção