Robótica Educacional

No início dos anos 1960, a ideia de ter tecnologia nas escolas e como auxiliar de aprendizagem era impensável. Por este motivo, conseguimos compreender as pessoas que riram quando, naquela época, o matemático americano Seymour Papert sugeriu que os computadores fossem utilizados como ferramenta para potencializar a aprendizagem e a criatividade das crianças. Influenciado pelas ideias de Jean Piaget, com quem trabalhou na Universidade de Genebra, Papert desenvolveu nos anos seguintes, como professor do Massachusetts Institute of Technology (MIT), o construcionismo. Assim como o construtivismo de Piaget, a teoria vê o aluno como construtor de seu conhecimento através de descobertas, mas no construcionismo o processo de aprendizagem ocorre por meio da realização de uma ação concreta, que tem como produto final algo palpável. Foi assim que, na década de 1980, Papert criou a tartaruga de solo, um robô programado pela linguagem Logo – também criada por ele de forma acessível a crianças –, que por meio do uso do computador pelos alunos era capaz de desenhar diferentes figuras geométricas. De forma geral, a Robótica Educacional, além de aplicar, na prática, algumas disciplinas teóricas estudadas em sala de aula, contribui para o desenvolvimento de habilidades que estimulam o pensamento crítico, incentiva a criatividade, domínio da tecnologia em todos os seus aspectos e busca por soluções práticas, incentivando os alunos a serem mais ativos e colaborativos na sua caminhada escolar e também profissional. Agora que já percebemos que a Robótica Educacional é uma excelente ferramenta para o desenvolvimento da criança e do adolescente, vamos deixar mais alguns benefícios que esta prática propicia na vida deles: Estimula o raciocínio lógico Ao estarem em contato com a linguagem de programação, os alunos são estimulados a pensar de forma estruturada, organizando ações para fazer o seu protótipo funcionar. A criação de um espaço de experimentação faz com o que os alunos possam experienciar e vivenciar o erro. Colabora com a resolução de problemas A robótica com sucata é responsável por solucionar problemas de forma natural, permitindo aos alunos desenvolver concentração e cooperação, exercitar a capacidade de resolver problemas na prática, mobilizando os conhecimentos e compreendendo-os antes de utilizá-los. Incentiva e torna o currículo atrativo A robótica permite que todas as áreas do conhecimento possam se conversar em torno da construção de um protótipo, fazendo o aluno experimentar de forma prática e exercitar todo o conhecimento adquirido, despertando para o pensamento científico, ao investigar as etapas de ensino.   Desperta o Protagonismo juvenil Por meio do envolvimento, os alunos vão se tornando protagonistas ao participarem ativamente da construção de sua aprendizagem, extrapolando o conteúdo adquirido para além dos muros da escola. Estimula a aprendizagem dos alunos mais indisciplinados Os alunos com sérios problemas de indisciplina foram que os mais se envolveram com a aprendizagem, incentivando os demais alunos a participarem. Desenvolve criatividade e a inventividade Os discentes ficam estimulados a criar de diversas formas e a produzir protótipos incríveis, respeitando e exercendo diferentes papéis, desenvolvendo habilidade de raciocínio independente na construção de conhecimento lógico. Desse modo, motiva os alunos de forma lúdica e dinâmica a passarem por desafios e etapas, promovendo interação social, colaboração e cooperação. Integra a escola e a comunidade Pelo entusiasmo dos alunos, eles acabam trazendo os pais para a escola e que participam ativamente da aprendizagem dos discentes e colaboram com o processo.   FONTES: ROBÓTICA EDUCACIONAL NO BRASIL: QUESTÕES EM ABERTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS FUTURAS UTILIZAÇÃO DA ROBÓTICA NA EDUCAÇÃO