Dia do Circo | 27 de Março

Você sabia que existem referências sobre o circo desde a antiguidade?

Isso mesmo!

Os circos surgiram em Roma, no século III a.C, onde aconteciam espetáculos de corridas, lutas entre gladiadores ou desses contra animais, e jogos de ginástica. O mais conhecido era o Circo Máximo, que recebia 150 mil pessoas em um único espetáculo. Além disso, grupos de pessoas ganhavam a vida fazendo apresentações na rua, nas casas de famílias nobres ou até mesmo em arenas destinadas às apresentações (anfiteatros).

Na Idade Média, grupos de malabaristas, artistas de teatro e comediantes viajavam pelas cidades da Europa com suas apresentações. Bacana, não é mesmo?

Porém, foi somente em 1769 que o circo ganhou o formato que temos atualmente. Foi nesta época que o inglês Philip Astley começou a organizar as apresentações de fora diferente, juntando várias modalidades em um mesmo ambiente que era fechado por uma tenda de lona para as apresentações. Este formato seria também itinerante, ou seja, mudariam constantemente de cidade para apresentar o espetáculo em diversos locais.

Ao longo dos anos, o circo foi crescendo no quesito apresentações contando com palhaços, shows musicais, malabaristas, equilibristas, apresentadores, domador de animais (que hoje é proibido devido aos maus tratos que os animais sofriam e à má condição de higiene em que viviam), acrobatas, mágicos e trapezistas.

Depois passar pelo túnel do tempo da história circense, chegamos ao ponto!

No dia 27 de março é comemorado o dia do circo. A importância da data reside no fato de valorizar a arte circense e sua escolha foi em homenagem ao palhaço Abelardo Silva, que ficou conhecido como Piolim, inclusive, seu nascimento foi no dia 27 de março de 1897. Piolim era filho de circenses e cresceu no meio dessas artes, iniciando sua carreira com contorcionismos e acrobacias.

Embora sua atividade mais conhecida seja como palhaço, ele foi um artista múltiplo, pois também era malabarista, contorcionista, mímico e músico no circo.

Ele participou de vários espetáculos, mas o que lhe deu o apelido de Piolim foi o contato com artistas espanhóis, que o chamavam de barbante (piolin na língua espanhola), por ser muito magro e ter pernas compridas.

O palhaço ficou conhecido mundialmente, recebendo homenagens de artistas populares da Semana de Arte Moderna como Tarsília do Amaral, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Anita Malfati, realizada em 1922.

Abelardo faleceu na cidade de São Paulo, em 4 de setembro de 1973 com 76 anos. Além de ter tido um reconhecimento internacional, seu trabalho inspirou muitos outros palhaços no Brasil e no mundo.

É fato que hoje em dia os circos não têm o mesmo destaque que tinham antigamente, porem ainda existem alguns que se destacam bastante como o Cirque Du Soleil, de origem canadense, criado em 1984. Os shows promovidos são de pura arte, onde milhares de artistas de todo o mundo se apresentam juntamente com efeitos de luzes, cores e sons.

 

FONTES:

Mundo Educação

Sua Pesquisa

Toda matéria

 

Vamos falar sobre Bullying?

O QUE É O BULLYING ?

Se formos pesquisar a origem do bullying, descobriremos que ele existe há MUITO tempo, mas a ampla discussão sobre o tema é recente.

O bullying tem como objetivo ferir e magoar a vítima, ocorrendo principalmente de três maneiras:

– Agressões físicas diretas;

– Agressões verbais diretas;

– Agressões indiretas.

Podemos incluir ainda o cyberbullying que consiste na vitimização ocorrida no espaço virtual, como as mídias digitais.

Precisamos deixar claro que apesar de ser considerada como agressão, nem toda agressão pode ser considerada como bullying. Para ser dada como tal, a agressão física ou moral deve apresentar quatro características: intenção do autor em ferir o alvo; repetição da agressão; presença de público espectador; e concordância do alvo com relação à ofensa.

Embora a literatura já tenha as características bem definidas para os papéis de agressores e vítimas, no ambiente escolar, a identificação tende a ser um tanto mais complexa existindo um terceiro papel de vítimas-agressoras, onde a mesma criança ou adolescente que sofre o bullying, causa o mesmo em outros.

É claro o contexto e como ocorre de forma superficial, mas devemos estar atentos para a pergunta mais importante no entendimento das ações que levam à criança ou adolescente praticar o bullying: Por quê?

Estudos apontam que, infelizmente, a prática do bullying está ligada à má relação familiar e como interações ruins entre pais e filhos afetam decisivamente o comportamento de crianças e adolescentes entre si nas escolas.

O psicólogo Wanderlei Abadio de Oliveira em sua tese “Relações entre bullying na adolescência e interações familiares: do singular ao plural” analisou por meio de questionários a qualidade da interação familiar e como os estudantes reagiam a situações de bullying dentro do ambiente escolar. Os resultados mostraram que as crianças e adolescentes que não tinham envolvimento com comportamento abusivo sobre outras possuíam uma melhor relação com os pais, que também mantinham uma boa relação conjugal, além de uma maior supervisão sobre seus filhos.

Entretanto, as famílias das crianças e adolescentes que se envolviam com bullying demonstraram uma comunicação mais escassa entre pai e filho e uma ausência de apoio moral nas decisões deles, o que não colabora para o desenvolvimento de aspectos positivos.

A falta de atenção às necessidades da criança e do adolescente está cada vez mais intensa, aumentando a frustração que, eventualmente, precisará de uma válvula de escape e descarga emocional.

O tempo para conversas simples sobre como foi o dia é essencial, além de demonstrações reais de amor, cuidado e carinho, refeições agradáveis com toda a família, são essenciais para uma boa relação entre pais e filhos, além das conscientizações sobre proteger ao invés de lesar.

No que se diz respeito aos colégios e escolas, o fortalecimento das relações entre escola e alunos, e um maior preparo dos professores e funcionários são extremamente necessários para tentar minimizar os efeitos dos fatores de risco a que essas crianças estão expostas e consequentemente a violência na escola.

Vamos proteger nossas crianças? Elas são o futuro!

 

FONTES DE PESQUISA:

(PEREIRA, 2002; SMITH et al., 2008; CRAIG et al., 2009; PUHL; KING, 2013).

TESE: Relações entre bullying na adolescência e interações familiares: do singular ao plural

Bullying em contexto escolar: uma proposta de intervenção